sexta-feira, 28 de setembro de 2012

QUANDO A SAÚDE SE TRANSFORMA NUM GRANDE NEGÓCIO



Por Michel Zaidan Filho, especial para o Blog de Jamildo

No mesmo instante em que o governador Eduardo Campos e o seu secretário da Saúde anunciavam o fim do Centro Médico do Hemope, com a doação de equipamentos de última geração, suspensão de comida para os internos e outras medidas restritivas, o IMIP anunciava a inauguração de novos leitos para pacientes de leucemia ou hemodiálise.

Não deve ter sido mera coincidência os dois eventos.

Na verdade, a política de saúde do governador parece ser o desmonte do Sistema Único de Saúde e a transferência da assistência médica pública para a fundação privada.

A questão que se pergunta, nem pela natureza desse socialismo do PSB (porque de socialismo não tem mais nada, sim, familismo), mas o que será da saúde pública depois que Eduardo Campos sair do governo de Pernambuco?

O povo terá que se submeter às condições e exigências de uma fundação privada (financiada com dinheiro público) para obter o seu tratamento ou terá que pagar - direta ou indiretamente - ao IMIP para ter um direito líquido e certo, tutelado juridicamente pelo Estado?

Não se sabe se o neto de Arraes já tinha essa intenção deliberada, desde que assumiu, ou se foi depois das trapalhadas dos secretários de saúde da primeira gestão.

O fato é que o governador sempre alimentou a idéia de transferir determinados serviços públicos para a iniciativa privada, como forma de escapar da responsabilidade social e penal pela má prestação dos serviços.

Tudo agora parece dar razão a quem desconfiava da intenção privatizante do dirigente estadual, sob alegação de mais eficiência nas políticas públicas.

Não está longe o dia em que se concretizará o prognóstico de um dirigente sindical dos médicos de que o IMIP reunirá os melhores quadros profissionais, com a ajuda do Poder Público Estadual, egressos da Faculdade de Medicina, do Hospital das Clínicas, do Serviço Público de Saúde etc.

A questão de fundo é que legitimidade tem o governador de Pernambuco para transferir para uma instituição privada recursos, pessoal e equipamentos, em detrimento do sistema público de saúde, em aberta contradição com a Constituição Federal que reza ser a saúde, como a educação e demais direitos sociais, uma obrigação do Estado e um Direito do cidadão?

Quem autorizou Eduardo Campos a fazer esta gestão público-privada, que esvazia a competência do Estado em oferecer políticas públicas de qualidade aos cidadãos e realoca os recursos no chamado "terceiro setor", sob a desculpa da busca pela efetividade, a eficácia e a eficiência, como proclama o catecismo da concepção gerencial da administração pública?

O pior é que essa modalidade espúria de "gerencialismo" se casa com uma imagem de "falimismo" que parece transformar a gestão pública em propriedade particular da família Arraes em Pernambuco.

Ora é o irmão que usa como lhe convém os recursos destinados à cultura, ora é a mãe, nomeada ministra do Tribunal de Contas da União, ora é a prima-noiva do neto do escritor Ariano Suassuna- que tem de ser publicamente defendida, enfim, é um misto de duas tendências ruins: uma modalidade subdesenvolvida de gerencialismo - entendida como mera transferência de políticas públicas para o setor privado - e o velho familismo que se arrasta desde os tempos coloniais através de Casas Grandes, que se reproduzem ao longo da história.

O que o ministério público tem a dizer sobre isso?

3 comentários:

  1. Michel Zaidan, sou seu fã! Não acredito que isso foi publicado no Blog de Jamildo... A imprensa de PE abrindo os olhos da população para o poderio da família do governador?

    Acrescento mais: Avenida Norte Miguel Arraes de Alencar, Hospital Miguel Arraes, Escola Técnica Maximiniano Campos...

    ResponderExcluir
  2. ANJO NEGRO
    Como um relâmpago
    Ela entrou em minha vida,
    Tão inesperadamente como saiu.

    Não me deixou rastros
    E nem carta de despedida,
    Meu anjo negro retornou às estrelas.

    Suas asas cobriram-me,
    Seus lábios devolveram-me a vida.
    Retirando-me o gosto amargo de viver,
    Meu anjo protegeu-me
    Pousando em meu coração.

    Meu anjo negro retornou às estrelas
    Deixando-me órfão
    Para abraçar o meu/seu vazio.

    Agora sou um prisioneiro sem cela
    Que, ao ser despertado pela luz da manhã,
    Busca refúgio ao final do dia
    À espera do retorno
    Que a noite nega-se a permitir.

    *Do livro (O ANJO E A TEMPESTADE) do escritor Agamenon Troyan
    SKYPE; tarokid18

    ResponderExcluir
  3. É fomos iludidos com o rpaz dos olhos azuis, claro que Jarbas nunca mais....mas temos que repensar em outra situação, pois esse bunitinho vai ferrar tudo com este discurso propagandista (prova disso no Recife).

    ResponderExcluir