domingo, 22 de maio de 2011

Contra Alexandre Garcia e as concepções elitistas

Fiquei horrorizado com um texto de Alexandre Garcia sobre a polêmica do livro didático e decidi mandar um texto da Revista Fórum:

O livro que ensina a falar errado. O que deveria ser saudado em um livro que não humilha os falantes mais pobres, porque não os desqualifica, mas antes, como uma ressalva, lembra que “a sua fala não é errada, ela possui um valor, virou uma prova da mais alta incompetência do MEC.
Por Urariano Motta [19.05.2011 10h50]

Nesta semana, o “Bom Dia Brasil”, nome do telejornal que desconhece o vocativo, abriu espaço para uma aula magna de Alexandre Garcia. Em breve editorial, Alexandre fulminou o livro “Por uma vida melhor”. Entre outras sábias reflexões, assim falou Garcia:
-Pois, ironicamente, esse livro se chama ‘Por uma vida melhor’. Se fosse apenas uma polêmica linguística, tudo bem, mas faz parte do currículo de quase meio milhão de alunos. E é abonado pelo Ministério da Educação. Na moda do politicamente correto, defende o endosso ao falar errado para evitar o preconceito linguístico. Aboliu-se o mérito e agora se aprova a frase errada para não constranger.

A isso o professor Sérgio Nogueira apareceu como convidado. Mas antes, de modo espontâneo, o apresentador lhe levantou a bola: - Isso (esse livro) é o início do fim da gramática?

Ao que pontificou o mestre:
- O fim da gramática já vem sendo feito há um bom tempo por essa nova linha do ensino, na chamada linguística moderna, em que o certo e o errado é abandonado... vocês pagariam pra uma escola em que seu filho vai continuar falando a língua que ele não precisa, que pode aprender sozinho?

Ao que aterrorizou melhor o apresentador:
- A língua é um traço de união nacional. Ela estaria ameaçada?

No que concordou o brilhante professor:
- Neste caso, sim, porque é diferente você respeitar as variantes regionais, as variantes sociais, e não conhecer uma língua geral, uma língua padrão. Por sinal, é nosso trabalho constante na Rede Globo, que é conseguir essa linguagem, como no caso do Bom Dia, que atinge o Sul e o Norte, Leste e Oeste. Hoje o gaúcho da fronteira se comunica com o sertanejo.

“Graças ao ótimo trabalho de lingüística da Rede Globo”, nem precisou o mestre completar. Que coisa... As letras de um artigo não enrubescem de vergonha. Nem cabe, na medida deste espaço, mostrar o serviço danoso que as telenovelas da Globo têm feito contra a riqueza da fala nacional. Mas cabem 2 ou 3 coisas sobre o livro condenado.

Ele, o maldito que rompe a unidade e pureza da língua, não prestigia o “falar errado”, nem ensina a fala errada. Em um capítulo, em apenas um, o malvado chama a atenção para formas à margem da norma culta. Mas alerta que as falas têm o seu lugar, adequação diferente, em momentos solenes, na escrita ou dentro de casa. Escândalo.

O que deveria ser saudado em um livro que não humilha os falantes maispobres, porque não os desqualifica, mas antes, como uma ressalva, lembra que “a sua fala não é errada, ela possui um valor. Apenas tomem cuidado, porque em determinadas ocasiões essa variante faz da pessoa alguém menor”, virou uma prova da mais alta incompetência do MEC. É como se não houvesse estudos científicos da língua nas universidades, é como se os frutos dessa pesquisa não pudessem voltar a quem de direito.

Em toda a mídia, falaram entre naftalinas ou com o mais simples cheiro de mofo. Contra o livro se levantou uma guerra, um embate político e ideológico que faz a gente lembrar a difamação sofrida por Darwin, com um rabo até hoje porque teria dito que o homem descende do macaco. Ou como lhe perguntou um conservador no século XIX: “o senhor vem de um símio por parte de pai ou de mãe?”.Ou como afirmam os conservadores destes dias: “Aboliu-se o mérito e agora aprova-se a frase errada. Livro aprovado pelo MEC é uma inversão de valores”. Pois o governo agora ensina que nós vai tá bão.

No entanto, a palmatória que se levanta nem precisava ir tão longe: na própria imprensa se cometem todos os dias autênticas aberrações na ortografia, na sintaxe e no sentido das palavras. Há um novo léxico de novo-rico. Os apresentadores de telejornais falam récorde, em lugar de recorde, e nessa pronúncia nem são ingleses nem brasileiros. Os nomes franceses procuram ser pronunciados à francesa, e a comédia resultante disso é constrangedora. Não faz muito, criou-se um deus nos acuda porque Dilma virou presidentA. Não, ensinaram os doutos que não leem dicionários, ela é presidentE. (Muito contra a nossa vontade, queriam dizer.)

Por que nunca levantaram a voz contra Manuel Bandeira?
“A vida não me chegava pelos jornais nem pelos livros
Vinha da boca do povo na língua errada do povo
Língua certa do povo
Porque ele é que fala gostoso o português do Brasil”

Por que não impediram jamais a divulgação de versos tão sacrílegos?
Ah, Manuel Bandeira dominava a língua culta. Quem domina, pode. Quem não domina, se pode, para não falar rima menos pura.

Publicado por Direto da Redação.
http://www.flickr.com/photos/vfranulovic/.

(Enviado pelo professor André Luis G.Pereira)

12 comentários:

  1. Essa polêmica toda nasce justamente da ignorância, do conservadorismo, do elitismo nato que quer vigorar até na língua.Creio que nenhum professor de português vai para sala de aula ensinar a seu aluno :"Nóis vai", "nóis pode", "nóis compra"...nem "os livro", até por que se sabe que é papel da escola é ensinar a norma culta, mas também é obrigação da mesma combater o preconceito linguístico.Sobre isso, vejam o excelente artigo:

    http://marcosbagno.com.br/site/?page_id=745

    ResponderExcluir
  2. Uma coisa é certa, apesar da polêmica: quando meu filho falar "os livro" não direi que ele pode falar assim, vou corrigir e mostrar que ele deve falar "os livros"!

    ResponderExcluir
  3. Se alguém acha que terno, gravata e sapato em um escritório são as mesmas peças de roupa com as quais se deve tomar um banho na praia, então também devem achar que língua correta é somente uma, a língua padrão. Equívoco total! Certo e errado, neste caso, estão num contexto que só preserva o preconceito. A língua padrão mantém a identidade, mas os falares diferenciados ajudam a manter a comunicação. É só pensar um pouco a respeito. Ninguém se faz menor ou maior pelo modo de falar, isso é que tá "errado". também recomendo http://marcosbagno.com.br/site/?page_id=745

    ResponderExcluir
  4. Meritocracia Já! Será que os Coreanos colocaram livros que criticam o "preconceito lingüístico" quando promoveram sua revolução educacional?
    Apoio o Alexandre Garcia!

    ResponderExcluir
  5. Prof.º Paulo, você não estará "corrigindo" seu filho, mas sim mostrando a ele uma das variedades da língua portuguesa: o português padrão.As outras formas ele já sabe, assim como nossos alunos. É por isso que é obrigação dos professores de língua ensinar a norma culta, caso contrário, ninguém iria para escola ensinar ou aprender português.O que não se pode aceitar é que se tome a norma culta como única, menosprezando todas as demais variedades de língua existentes: as das favelas, das comunidades pobres, das ruas, das pessoas da zona rural, etc..
    Compreende?


    Caro (a) Lutando por cidadania,
    Já imaginou se todas as pessoas que nunca tiveram acessso a livros, gramáticas, escolas ou meios de comunicação os quais façam usam da norma culta passassem a entender que somente podem lutar por seus direitos por meio de uma única língua (no caso, a culta)?Já pensou no estrago que seria para cidadania dessas pessoas? Língua é ação, independente de ser norma culta ou não.Na verdade, o que o jornalista Alexandre Garcia quer é que essas pessoas se calem, porque ele considera que suas falas são "erradas", e é claro, que as concepções de vida dessas pessoas também são, pois elas não servem ao dogmatismo da Imprensa Golpista.Por isso, esses falares são tidos como feios, toscos ou desviados.Se a maior parte da elite adotasse a forma "os livro", com certeza, isso passaria a ser tido como norma culta.Mas, quem fala dessa forma é o pobre, o menos favorecido financeiramente, então...
    Desculpe-me, mas acho que Alexandre Garcia se meteu num terreno que ele não tem know-how para isso, ele não é um estudioso de língua, é jornaslita.De qualquer forma, respeito sua opinião, só acho que é possível fazer a revolução da educação sem propagar ainda mais preconceitos linguísticos.

    Abç a todos,

    Juliana

    ResponderExcluir
  6. Para falar fora da norma culta (se eu dissesse falar errado já seria criticado) não é necessário escola...escola existe para ensinar a falar corretamente...o pobre também tem direito a falar segundo a norma culta...tirar esse direito do pobre é desrespeito, assim como criticar sua fala considerada "errada"...
    A ignorância é instantânea, não exige esforço, aprende-se mesmo sendo preguiçoso, já a sabedoria exige esforço e dedicação.

    ResponderExcluir
  7. Concordo com a professora Juliana, quando diz que ninguém vai ensinar ou ser estimulado a falar: "nóis quer", e outras expressões do gênero,mas o q se almeja é o respeito às variedades da língua portuguesa essa discussão em torno do preconceito linguístico sempre causa distorções. Ninguém, muito menos os professores de Língua Portuguesa, se prestarão a esse papel- dá pena mesmo- os que pensam assim!!Por outro lado, a quem ou a que servem esses discursos distorcidos? Pra mim, só enxergo a Elite brasileira que deseja calar a boca do povo sofrido. Ah...Alexandre Garcia, mas um caso seu de exclusão...
    abraço Ju
    Tania

    ResponderExcluir
  8. Juliana concordo com seu ponto de vista! Sei que um cidadão brasileiro transformou a realidade de muitos outros sem falar a língua culta e que isso é perfeitamente possível! Mas também concordo que a escola não deva estimular o erro.
    Abraço e estamos na luta por uma educação de qualidade!

    ResponderExcluir
  9. Por isso mesmo, Lutando por Cidadania, que eu disse que é papel da escola ensinar a norma culta.Lutemos por uma educação de qualidade, sem propagar ainda mais o preconceito! Só que educação de qualidade em PE está difícil, não é?
    :P

    É, Tânia, minha amiga de Petro?rsrs
    Sendo ou não, você está certíssima: mais uma tentativa da elite calar a boca do povo.
    Abç,

    ResponderExcluir
  10. Sim, sou eu Ju. Estamos na luta!! E Parafraseando Chico Buarque... Apesar de Dudu pernambuco há ter um novo tempo....E q saia em disparada num passe de mágica. Claro, sem atrapalhar os professores e o trânsito..rsrs
    bjus
    Tânia

    ResponderExcluir
  11. Tânia,
    Saudade imensa de vc!
    São tantos "apesares", mas, enfim, sobreviveremos.
    Um beijo,
    Juliana

    ResponderExcluir
  12. Alexandre Garcia, vc em poucas palavras conseguiu expor sua (nossa) indiguinação pela aprovação deste livro.
    E ainda tem gente que concorda com tamanha aberração, defendem a burrice com frases idiotas, tais como:
    "coisa da elite"
    FALAR CORRETAMENTE, INDEPENDE DE QQ COISA É O CORRETO E PRONTO.
    Estudei em colégio Público até a oitava série e minha PROFESSORA de Português (D. Norma Rodrigues do Nascimento Maroti)que era Professora de verdade, me corrigia e eu não me sentia humilhado por isso.

    Obrigado Alexandre Garcia, vc sabe escrever, e falar corretamente.

    ResponderExcluir