domingo, 14 de março de 2010

EM QUEM ACREDITAR?

Começamos 2010, da mesma forma que 2009, amargurados, decepcionados, ... , com a postura do sindicato, com a indiferença pela qual somos tratados pelo estado, com a falta de compromisso com a verdade, assumido por todos os meios de comunicação de nosso estado.
Vários são os fatores que nos levam a este estado:

I) Como acreditar em um sindicato regido por pessoas que não possuem a mínima credibilidade do Ministério Público Estadual? Não posso, nem quero acreditar que todos do MPPE são submissos ao governo estadual! Como Acreditar em um sindicato que acha tão importante a aquisição de uma Hilux, em tempos que tivemos descontos da Greve em nossos salários? Em que não falta verba para realização das festas de carnaval, São João ou outras ..., mas falta dinheiro para fazer-se campanha denunciando as injúrias do governo estadual!

Como acreditar em um sindicato, que durante as assembleias, seu presidente parece fazer pouco caso do que se é dito por qualquer professor, principalmente quando se tratam de críticas? Como podemos querer ter a mínima vontade de contribuir dessa forma? Como acreditar em um sindicato que ainda se vê na década de 50 ou mesmo 60, em que as passeatas nas ruas de fato funcionavam, querendo ter essa mesma postura em pleno século XXI? Eu não tenho e você?

II) Como acreditar em um governo sinuoso como esse que só faz protelar decisões quando a pauta é nosso reajuste salarial? Como acreditar em um governo que possui como secretário de educação um senhor que se quer deve e tenho certeza disso conhecer uma sala de aula da rede estadual? O convido a visitar minha escola, que agora possui duas novas salas externas que foram batizadas pelos estudantes de Chocadeiras! O aspecto físico é idêntico!

Então pergunto, como poderíamos ter orgulho de afirmar que somos professores da rede estadual? Como? Lanço o desafio ao secretário de educação há passar um mês como o salário que recebemos, ao invés de apenas em uma noite gastar em seus rega-bofes o que ganhamos por um mês de trabalho!

Por fim, prepare-se que a surpresa maior acontecerá até o fim de Março deste ano, em nossos contracheques em Abril, um mísero, pífio, aumento como uma forma de cala boca, visto que, se trata de ano eleitoral. Quero ver qual será o professor que ainda terá coragem de votar nesse governo? Aff, ia me esquecendo os gestores que são submissos a política desse governo!

8 comentários:

  1. Como acreditar em um sindicato que ainda se vê na década de 50 ou mesmo 60, em que as passeatas nas ruas de fato funcionavam, querendo ter essa mesma postura em pleno século XXI?
    Tenho refletido muito, e até já comentei aqui a respeito desse maniqueísmo idiota ( direita-esquerda) que ainda impera na cabeça Stalinista de alguns sindicalistas. Precisamos de ação jurídica e não de passeatas para demostrar que é pelego ou não.Precisamos dar mídia as nossas aspirações e a importancia da nossa profissão para o desenvolvimento social.
    Não precisamos de carnaval..Não há o que comemorar!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. A cada comentário dos colegas, como o anterior, cresce em mim uma esperança que vamos mudar o quadro atual. Tem muita gente competente com idéias e opiniões consistentes que precisam se encontrar para sistematizar ações.
    Num país com tanta lama, injustiças e descumprimento das leis emanadas daqueles que deveriam executá-las... Não há o que comemorar. Porém a história demonstra que os impérios caem e que muitas injustiças são corrigidas com o tempo. Estes colegas que aqui se posicionam, me parece, estão no limiar de realizar mudanças profundas na estrutura sindical e de comportamento dos professores do Estado de Pernambuco.
    O blog vem ganhando força, adeptos e incomodando. Quem leu hoje o texto do Sintepe pôde notar que está mais objetivo e parecendo um órgão representante de classe, ainda frágil, mas mudou o tom.
    Vamos inundar o blog com idéias. Simples ou complexas e principalmente...por em prática. Expor nossas escolas em outdoors, demonstrar com imagens a realidade, bem diferente da propaganda, que os nossos alunos e professores vivenciam e até de maneira jocosa lançar nosso candidato a governo, quem sabe um anti-Eduardo, qualquer um. Pensei no RATBURN, um ratinho professor e de brincadeira espalharemos a idéia que um rato, qualquer rato (honesto e competente) terá nosso apoio.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Todo presidiário com filhos tem direito a uma bolsa que, a partir de 1º/1/2010 é de R$798,30 por filho para sustentar a família, já que o coitadinho não pode trabalhar para sustentar os filhos por estar preso. Bom! Se um professor tiver dois filhos, será que não vale à pena fazer algo errado? não precisa prejudicar ninguém, mas ele vai ter uma ajuda maior que o PISO e nem vai sentir tanta diferença entre as nossas salas e as celas. Outras semelhanças me nego a colocar aqui por vergonha. Mas e se o professor não tinha TV, nada muito fora de nossa realidade e tem cinco filhos, Heim! Nem com doutorado um professor vai conseguir o que os presidiários recebem. E sem precisar ver uma só turma. Não é de mexer com o nosso imaginário?

    ResponderExcluir
  5. Eles preferem investir na violencia,... o PISO dos policiais foi aprovado .... 3000 neh!!!!
    Nossa esmola esta na ADIN!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. DIÁRIO DE PERNAMBUCO / Cartas 12/03/2010

    Que piso?
    É com indignação que leio nesta coluna (7/03/10) a afirmação de que o governo do estado paga o piso salarial nacional. Se estamos na luta pela implantação do piso é porque não está sendo pago. Há dezesseis anos na rede recebo uma remuneração de R$ 865,04 por 200h/aulas, valor
    já acrescido dos 15% correspondentes à especialização. A Lei 11.738
    diz que o piso deverá ser reajustado a partir de janeiro de 2009 e,ano passado, o governo Eduardo Campos deixou de repassar para o salário da categoria 19,2%, e em 2010, 18,2%. Enquanto isso as verbas
    vindas do Fundeb (2009) para Pernambuco somaram R$ 1.286.280.324,73 e sequer a população tem informação sobre a aplicação da mesmas, sem falar nos R$ 154 milhões adquiridos de empréstimos para a Educação
    através do Banco Mundial.
    Albenia Silva

    ResponderExcluir
  7. Parabéns Albenia pelo belo texto. faça muitos outros, material não falta. Vamos incomodar com a verdade.

    ResponderExcluir